Belonofobia é o medo de agulhas.

Uma das fobias mais comuns é o medo de agulhas (belonofobia), a ponto de alguns estudos revelarem que 10% da população sofre com isso.

E, embora ninguém negue que as agulhas podem causar dor, a fobia de agulhas (também chamada de tripanofobia) é sofrida por mais e mais pessoas, causando altos níveis de ansiedade, a ponto de se tornar um fator incapacitante.

O que é Belonefobia ou Tripanofobia?

Belonefobia ou tripanofobia consiste em um transtorno de ansiedade caracterizado por medo persistente, excessivo e irracional de agulhas e outros objetos pontiagudos, como facas, alfinetes, etc. É uma fobia específica, incluída tanto no DSM-V quanto na CID-10, e de acordo com alguns estudos estima-se que 10% da população geral sofre com isso em algum grau.

Também é conhecido como aicmofobia e para algumas pessoas pode se tornar um fator incapacitante, pois experimentam altos níveis de ansiedade diante desses objetos, causando respostas de evitação e até recusando tratamentos médicos importantes para essas pessoas.

Deve-se notar que esse medo é vivenciado tanto em situações de emergência (onde é possível que haja algum perigo), quanto em ambientes seguros e situações em que nenhuma ameaça real está sendo sofrida.

Sertralina: dúvidas relacionadas ao álcool, peso corporal e depoimentos. Emagrece?

Origem da fobia de agulhas e injeções

belonofobia é o medo deQuanto à origem dessa fobia, alguns autores acreditam que seja genética e que seja encontrada na evolução da espécie humana. Desde os tempos antigos, como medida de sobrevivência, os humanos evitam se expor aos perigos de objetos pontiagudos ou que podem perfurar a carne, como os dentes de alguns animais ou os espinhos de algumas plantas.

Isso é destacado pelo Dr. James G. Hamilton em seu artigo «Agulha fobia: um diagnóstico negligenciado» e não é surpreendente, pois muitas das pessoas que sofrem deste transtorno não relatam ter experimentado qualquer evento traumático que justifique seu medo.

Se você quiser saber mais sobre a possível origem evolutiva desse transtorno, você pode ver o artigo completo clicando aqui.

Sintomas de Ictamofobia

Os sintomas podem ser divididos de acordo com a categoria a que pertencem. Assim, temos sintomas físicos, sintomas cognitivos e sintomas comportamentais.

Sintomas físicos Belonofobia

Todos os transtornos de ansiedade causam um aumento na atividade do sistema nervoso autônomo, o que significa:

– Aumento da frequência cardíaca e respiratória.

– Sensação de asfixia.

– Palpitação ou taquicardia.

– Tensão muscular.

– Sudorese.

– Palidez.

– Dilatação da pupila.

– Sensação de tontura e/ou náusea. Vertigem.

– Boca seca.

– Desmaio ou síncope vasovagal.

Trazodona: O que é e para que serve? Depoimentos. Dúvidas (emagrece?)

Sintomas cognitivos

Os sintomas cognitivos referem-se a todos aqueles pensamentos e cognições irracionais e exageradas sobre a suposta periculosidade dos objetos temidos e suas consequências.

Essas cognições, por si só (sem ser necessária a presença do estímulo fóbico), acarretam uma experiência angustiante e em algumas ocasiões uma sensação de perda de controle e retroalimentação da sintomatologia física.

Belonofobia: Sintomas comportamentais

Devido ao medo, às cognições negativas e à experiência de ansiedade, os sujeitos manifestarão comportamentos de evitação em relação aos objetos temidos. Em algumas ocasiões, como quando se trata de tratamentos médicos, isso representa um grande risco para a saúde. Em outros, incapacidade de realizar algumas atividades da vida diária, como o simples ato de preparar os alimentos.

Tratamento: como superar a Belonofobia

Belonefobia requer um tratamento multicomponente para tentar aliviar os diferentes tipos de sintomas em quebelonofobia é o medo de se manifesta.

Para controlar os sintomas fisiológicos gerados pela ansiedade, são necessárias técnicas como a respiração diafragmática ou profunda. É uma intervenção simples, rápida de aprender, eficaz e aplicável a quase todas as situações.

Outra técnica comumente aplicada é a tensão muscular aplicada, na qual as pessoas são treinadas para enrijecer alguns grupos musculares do corpo e reconhecer os sintomas que precedem um possível desmaio (ou síncope vasovagal).

Para sintomas comportamentais, a técnica mais poderosa é a exposição gradual com prevenção de resposta acompanhada de autoinstrução. É uma técnica cognitivo-comportamental que procede à exposição hierárquica (da menor à maior ansiedade) do estímulo fóbico juntamente com o Treinamento de Auto-Instrução de Meichenbaum, cujo objetivo é causar mudanças no comportamento manifesto das pessoas por meio de verbalizações internas .

Por fim, a psicoeducação, destinada a compreender o que é a ansiedade e como ela funciona, e a reestruturação cognitiva para eliminar as ideias irracionais e modificar as antecipações catastróficas típicas das fobias.

 

Referências

1. James G. Hamilton, MD (1995), Needle Phobia: A Neglected Diagnosis. The Journal of Family Practice, Vol. 41, No. 2 (agosto), 1995.

2. Associação Psiquiátrica Americana (2014). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (5ª ed.).

3. Luque González, Alba (2017) Tratamento de um caso de fobia de injeção sem resposta bifásica, Journal of Clinical Cases in Mental Health. Volume 1; págs. 1-24. ISSN: 2255-5609.

Fluoxetina: O que é e para que serve? Fluoxetina emagrece?

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *